terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO PARA A QUARESMA DE 2017

MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO
PARA A QUARESMA DE 2017
A Palavra é um dom. O outro é um dom

Amados irmãos e irmãs!
A Quaresma é um novo começo, uma estrada que leva a um destino seguro: a Páscoa de Ressurreição, a vitória de Cristo sobre a morte. E este tempo não cessa de nos dirigir um forte convite à conversão: o cristão é chamado a voltar para Deus «de todo o coração» (Jl 2, 12), não se contentando com uma vida medíocre, mas crescendo na amizade do Senhor. Jesus é o amigo fiel que nunca nos abandona, pois, mesmo quando pecamos, espera pacientemente pelo nosso regresso a Ele e, com esta espera, manifesta a sua vontade de perdão (cf. Homilia na Santa Missa, 8 de janeiro de 2016).
A Quaresma é o momento favorável para intensificarmos a vida espiritual através dos meios santos que a Igreja nos propõe: o jejum, a oração e a esmola. Na base de tudo isto, porém, está a Palavra de Deus, que somos convidados a ouvir e meditar com maior assiduidade neste tempo. Aqui queria deter-me, em particular, na parábola do homem rico e do pobre Lázaro (cf. Lc 16, 19-31). Deixemo-nos inspirar por esta página tão significativa, que nos dá a chave para compreender como temos de agir para alcançarmos a verdadeira felicidade e a vida eterna, incitando-nos a uma sincera conversão.
1. O outro é um dom
A parábola inicia com a apresentação dos dois personagens principais, mas quem aparece descrito de forma mais detalhada é o pobre: encontra-se numa condição desesperada e sem forças para se solevar, jaz à porta do rico na esperança de comer as migalhas que caem da mesa dele, tem o corpo coberto de chagas, que os cães vêm lamber (cf. vv. 20-21). Enfim, o quadro é sombrio, com o homem degradado e humilhado.
A cena revela-se ainda mais dramática, quando se considera que o pobre se chama Lázaro, um nome muito promissor pois significa, literalmente, «Deus ajuda». Não se trata duma pessoa anónima; antes, tem traços muito concretos e aparece como um indivíduo a quem podemos atribuir uma história pessoal. Enquanto Lázaro é como que invisível para o rico, a nossos olhos aparece como um ser conhecido e quase de família, torna-se um rosto; e, como tal, é um dom, uma riqueza inestimável, um ser querido, amado, recordado por Deus, apesar da sua condição concreta ser a duma escória humana (cf. Homilia na Santa Missa, 8 de janeiro de 2016).
Lázaro ensina-nos que o outro é um dom. A justa relação com as pessoas consiste em reconhecer, com gratidão, o seu valor. O próprio pobre à porta do rico não é um empecilho fastidioso, mas um apelo a converter-se e mudar de vida. O primeiro convite que nos faz esta parábola é o de abrir a porta do nosso coração ao outro, porque cada pessoa é um dom, seja ela o nosso vizinho ou o pobre desconhecido. A Quaresma é um tempo propício para abrir a porta a cada necessitado e nele reconhecer o rosto de Cristo. Cada um de nós encontra-o no próprio caminho. Cada vida que se cruza connosco é um dom e merece aceitação, respeito, amor. A Palavra de Deus ajuda-nos a abrir os olhos para acolher a vida e amá-la, sobretudo quando é frágil. Mas, para se poder fazer isto, é necessário tomar a sério também aquilo que o Evangelho nos revela a propósito do homem rico.
2. O pecado cega-nos
A parábola põe em evidência, sem piedade, as contradições em que vive o rico (cf. v. 19). Este personagem, ao contrário do pobre Lázaro, não tem um nome, é qualificado apenas como «rico». A sua opulência manifesta-se nas roupas, de um luxo exagerado, que usa. De facto, a púrpura era muito apreciada, mais do que a prata e o ouro, e por isso se reservava para os deuses (cf. Jr 10, 9) e os reis (cf. Jz 8, 26). O linho fino era um linho especial que ajudava a conferir à posição da pessoa um caráter quase sagrado. Assim, a riqueza deste homem é excessiva, inclusive porque exibida habitualmente: «Fazia todos os dias esplêndidos banquetes» (v. 19). Entrevê-se nele, dramaticamente, a corrupção do pecado, que se realiza em três momentos sucessivos: o amor ao dinheiro, a vaidade e a soberba (cf. Homilia na Santa Missa, 20 de setembro de 2013).
O apóstolo Paulo diz que «a raiz de todos os males é a ganância do dinheiro» (1 Tm 6, 10). Esta é o motivo principal da corrupção e uma fonte de invejas, contendas e suspeitas. O dinheiro pode chegar a dominar-nos até ao ponto de se tornar um ídolo tirânico (cf. Exort. ap. Evangelii gaudium, 55). Em vez de instrumento ao nosso dispor para fazer o bem e exercer a solidariedade com os outros, o dinheiro pode-nos subjugar, a nós e ao mundo inteiro, numa lógica egoísta que não deixa espaço ao amor e dificulta a paz.
Depois, a parábola mostra-nos que a ganância do rico fá-lo vaidoso. A sua personalidade vive de aparências, fazendo ver aos outros aquilo que se pode permitir. Mas a aparência serve de máscara para o seu vazio interior. A sua vida está prisioneira da exterioridade, da dimensão mais superficial e efémera da existência (cf. ibid., 62).
O degrau mais baixo desta deterioração moral é a soberba. O homem veste-se como se fosse um rei, simula a posição dum deus, esquecendo-se que é um simples mortal. Para o homem corrompido pelo amor das riquezas, nada mais existe além do próprio eu e, por isso, as pessoas que o rodeiam não caiem sob a alçada do seu olhar. Assim o fruto do apego ao dinheiro é uma espécie de cegueira: o rico não vê o pobre esfomeado, chagado e prostrado na sua humilhação.
Olhando para esta figura, compreende-se por que motivo o Evangelho é tão claro ao condenar o amor ao dinheiro: «Ninguém pode servir a dois senhores: ou não gostará de um deles e estimará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e ao dinheiro» (Mt 6, 24).
3. A Palavra é um dom
O Evangelho do homem rico e do pobre Lázaro ajuda a prepararmo-nos bem para a Páscoa que se aproxima. A liturgia de Quarta-Feira de Cinzas convida-nos a viver uma experiência semelhante à que faz de forma tão dramática o rico. Quando impõe as cinzas sobre a cabeça, o sacerdote repete estas palavras: «Lembra-te, homem, que és pó da terra e à terra hás de voltar». De facto, tanto o rico como o pobre morrem, e a parte principal da parábola desenrola-se no Além. Dum momento para o outro, os dois personagens descobrem que nós «nada trouxemos ao mundo e nada podemos levar dele» (1 Tm 6, 7).
Também o nosso olhar se abre para o Além, onde o rico tece um longo diálogo com Abraão, a quem trata por «pai» (Lc 16, 24.27), dando mostras de fazer parte do povo de Deus. Este detalhe torna ainda mais contraditória a sua vida, porque até agora nada se disse da sua relação com Deus. Com efeito, na sua vida, não havia lugar para Deus, sendo ele mesmo o seu único deus.
Só no meio dos tormentos do Além é que o rico reconhece Lázaro e queria que o pobre aliviasse os seus sofrimentos com um pouco de água. Os gestos solicitados a Lázaro são semelhantes aos que o rico poderia ter feito, mas nunca fez. Abraão, porém, explica-lhe: «Recebeste os teus bens na vida, enquanto Lázaro recebeu somente males. Agora, ele é consolado, enquanto tu és atormentado» (v. 25). No Além, restabelece-se uma certa equidade, e os males da vida são contrabalançados pelo bem.
Mas a parábola continua, apresentando uma mensagem para todos os cristãos. De facto o rico, que ainda tem irmãos vivos, pede a Abraão que mande Lázaro avisá-los; mas Abraão respondeu: «Têm Moisés e os Profetas; que os ouçam» (v. 29). E, à sucessiva objeção do rico, acrescenta: «Se não dão ouvidos a Moisés e aos Profetas, tão-pouco se deixarão convencer, se alguém ressuscitar dentre os mortos» (v. 31).
Deste modo se patenteia o verdadeiro problema do rico: a raiz dos seus males é não dar ouvidos à Palavra de Deus; isto levou-o a deixar de amar a Deus e, consequentemente, a desprezar o próximo. A Palavra de Deus é uma força viva, capaz de suscitar a conversão no coração dos homens e orientar de novo a pessoa para Deus. Fechar o coração ao dom de Deus que fala, tem como consequência fechar o coração ao dom do irmão.
Amados irmãos e irmãs, a Quaresma é o tempo favorável para nos renovarmos, encontrando Cristo vivo na sua Palavra, nos Sacramentos e no próximo. O Senhor – que, nos quarenta dias passados no deserto, venceu as ciladas do Tentador – indica-nos o caminho a seguir. Que o Espírito Santo nos guie na realização dum verdadeiro caminho de conversão, para redescobrirmos o dom da Palavra de Deus, sermos purificados do pecado que nos cega e servirmos Cristo presente nos irmãos necessitados. Encorajo todos os fiéis a expressar esta renovação espiritual, inclusive participando nas Campanhas de Quaresma que muitos organismos eclesiais, em várias partes do mundo, promovem para fazer crescer a cultura do encontro na única família humana. Rezemos uns pelos outros para que, participando na vitória de Cristo, saibamos abrir as nossas portas ao frágil e ao pobre. Então poderemos viver e testemunhar em plenitude a alegria da Páscoa.
Vaticano, 18 de outubro – Festa do Evangelista São Lucas – de 2016.

 FRANCISCO

Dia de convívio...




Nesta terça feira de carnaval as comunidades das Irmãs Ursulinas de Primavera do Leste se reuniram com a presença da Ir.Marisa. 

A parte da tarde foi dedicada a uma partilha de vida onde cada uma contou a história de sua vocação. 



sábado, 25 de fevereiro de 2017

O PAPA FRANCISCO E A QUARESMA


Para a quaresma o Papa Francisco nos propõe 15 atos de caridade como manifestações concretas de amor: 

“Sorrir, um cristão é sempre alegre! Agradecer sempre. Lembrar ao outro o quanto você o ama. Cumprimentar com alegria as pessoas que você vê todos os dias. Ouvir a história do outro, sem julgamento, com amor. Parar para ajudar. Estar atento a quem precisa de você. Animar a alguém. Reconhecer os sucessos e qualidades do outro. Separar o que você não usa e dar a quem precisa.  Ajudar a alguém para que ele possa descansar. Corrigir com amor; não calar por medo. Ter delicadezas com os que estão perto de você. Limpar o que sujou, em casa. Ajudar os outros a superar os obstáculos. Telefonar para seus pais. ”

            E pede que mudemos o nosso Jejum quaresmal, assim: “Jejum de palavras negativas e dizer palavras bondosas. Jejum de descontentamento e encher-se de gratidão. Jejum de raiva e encher-se com mansidão e paciência. Jejum de pessimismo e encher-se de esperança e otimismo. Jejum de preocupações e encher-se de confiança em Deus. Jejum de queixas e encher-se com as coisas simples da vida. Jejum de tensões e encher-se com orações. Jejum de amargura e tristeza e encher o coração de alegria. Jejum de egoísmo e encher-se com compaixão pelos outros. Jejum de falta de perdão e encher-se de reconciliação. Jejum de palavras e colocar silêncio para ouvir os outros.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Hna. Stefania Chlebicz


Feliz Aniversário...

Dia O2 de janeiro......

Hna. Stefania Chlebicz

Nossa oração....

" Paz a esta casa...."

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Ir. Margarida Nunes


Ir. Margarida Nunes

Feliz Aniversário

18 de fevereiro.....

" Aprendei de mim

 que sou manso e humilde de coração"

Ir. Lourdes Bonatto




Ir. Lourdes Bonatto

Feliz Aniversário!

17 de fevereiro....

" Eis aqui a serva do Senhor".

Ir. Iradi Canan


Ir. Iradi Canan

Feliz Aniversário!

16 de fevereiro....

" Servi ao Senhor com alegria"

Ir. Ivani de Oliveira





Ir. Ivani de Oliveira

Feliz Aniversário com as bênçãos de Deus

24 de janeiro.....

" Eu vim para fazer a tua vontade".

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Centro Latino Americano





A Congregação das Irmãs Ursulinas
do Coração de Jesus Agonizante
está presente na América Latina nos países: Argentina, Brasil e Bolívia.


" Eis aqui a serva do Senhor", como Maria.

domingo, 12 de fevereiro de 2017

INICIANDO O APOSTOLADO NO ANO 2017 SOB A PROTEÇÃO DE DEUS!



Nossa Comunidade Ursulina em Primavera do Leste - Parma

Desde janeiro até os primeiros dias de fevereiro a nossa comunidade, Ir. Iradi Canan e ir. Cleci Cirino nos dedicamos aos preparativos para o bom andamento do ano letivo 2017.








“ No campo da educação temos dupla missão: Educar para Deus- para a Pátria celeste; E educar para a sociedade – para a Pátria terrestre”. Assim nos inspira Santa Úrsula, nossa madre fundadora. Com este espírito atuamos juntamente aos mais de 100 educadores (professores e funcionários) que atuam nestas duas escolas.



Ir. Cleci, como professora regente de uma turma de 23 crianças na Escola de Educação Infantil Santa Úrsula e Ir. Iradi na coordenação da Escola de Tempo Integral Maria Dallafiora Costa – Parma Vida. Estas duas entidades estão dentro da parceria entre a prefeitura Municipal e a Diocese de Primavera do Leste- Paranatinga atendendo a aproximadamente 550 crianças.





Além do trabalho na escola a Irmã Cleci Cirino está se empenhando também na pastoral paroquial, acompanhando o Pároco da paróquia São Francisco de Assis e sua equipe, aos domingos, nas comunidades do interior e assessorando o Serviço de animação Vocacional Diocesano.







Este foi um período de visitas às casas dos novos alunos, matrículas, preparação dos professores e funcionários, organização dos espaços pedagógicos e todos os encaminhamentos necessários.











Juntas nos empenhamos nos cuidados da casa com tudo o que se faz necessário.


 Participamos diariamente da missa na Igreja São Francisco buscando em Cristo Eucarístico e na comunidade que celebra a força e a graça para bem viver nossa vocação ursulina.


quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Asamblea Latino Americana Argentina - Merlo

 Por una semana desde  el miércoles 25 de enero  hasta el miércoles  1 de febrero nos reunimos las hermanas de las comunidades de Argentina, de Bolivia y las hermanas Terezinha y Vilma de las comunidades de Brasil junto con Hna. Marisa superiora del nuevo centro Latinoamericano para compartir nuestra Asamblea y retiro anual.


El primer día de la asamblea lo dedicamos a las cosas de nuestro centro .En el primer momento hna. Yolanda hace lectura del decreto de nuestra Madre por el cual queda conformado el nuevo centro latinoamericano, luego procedemos a hacer el acto de obediencia a la nueva superiora. Después conversamos a acerca del alcance de la unificación de los centros y otras cuestiones prácticas concernientes  a nuestra vida.
Por la tarde  hna. Olga nos comparte la realidad de la Vida Consagrada en  Bolivia y  hna. Teresihna sobre la realidad  de la Vida Consagrada en  Brasil.
El Jueves lo dedicamos para profundizar  el  Horizonte inspirador de la Vida Consagrada en América Latina y el Caribe  2015-2018 y su lema Salgamos a prisa al encuentro de la vida.  
Miramos una presentación sobre el plan global y después nos damos tiempo de  hacer una lectura orante del texto de la visitación, icono propuesto para este trienio. Por la tarde continuamos trabajando con el Marco Bíblico Teológico  en grupos  conversando desde  la realidad de nuestras comunidades.
Todo lo compartido este día nos preparo para que el viernes 27 ,día de Santa Ángela, vayamos a visitar a las familias de nuestro barrio. Distribuimos las calles para salir por parejas. Nos proponemos compartir esta experiencia de ser  “Una Iglesia en salida”  que como siempre fortalece nuestra fe.
Por la noche hna. Yolanda nos da unos primeros puntos para entrar en el retiro  que lo vamos a hacer mirando los  modelos femeninos de mujeres que  han vivido – todas entregadas a Jesús y a su proyecto: el Reino:  María, sobre todo en su misterio de Anunciación  (signo:  la tierra) y  nuestra Madre Fundadora, Santa Úrsula, que nos ha dejado en herencia su carisma, (signo: el fuego) . Estos signos están preparados en la capilla para acompañar de esta manera nuestra oración.
Los temas que meditamos  en los días siguientes fueron:
1° día: Discípulas misioneras de Jesucristo
2º día: Con  actitud de discernimiento  -  Buscando caminos nuevos
 3º día: Amando con el Corazón de Jesús    
4º día: Mujeres junto con otras mujeres
5º día: Juntos por un mundo mejor – para que todos tengan vida
Cada mañana  Hna. Yolanda nos entrega una ficha para guiar la oración del día con algunas lecturas, ya sea de nuestra fundadora u otros autores. También compartimos la Adoración, la Misa y  un momento final de oración por la noche donde podemos compartir las resonancias que nos había dejado el día.  Fue una hermosa manera de poner en común nuestra experiencia de Dios vivida desde “el carisma que hemos recibido” y también a animarnos a que una de nosotras nos guie en esta experiencia.




El jueves 2 terminamos este tiempo de encuentro yendo al Santuario de Lujan. Bajo su manto ponemos nuestra vida y ya nuestros corazones se van preparando para emprender renovadas el trabajo del año.


domingo, 5 de fevereiro de 2017

Alegria em viver a consagração religiosa....


Hoje, dia 05 de fevereiro de 2017:
21 anos da primeira profissão religiosa das irmãs Marisa e Cleci
23 anos de profissão perpetua das irmãs: Claudete, Vilma, Iradi e Ivani
Rezemos em gratidão e pedindo ao Senhor da Messe que envie novas Vocações para nossa Congregação.

Parabéns Ir. Cleci Cirino

Dia 04 de novembro... nossa gratidão a Deus! Ir. Cleci.... desejamos a você um Feliz Aniversário! "Uma alma radiante j...